Marlene Zanghelini Altini [1]

RESUMO:

Atualmente, o que várias empresas estão buscando é a implantação de uma conduta ética no meio empresarial, objetivando melhores resultados e de maiores reconhecimentos no meio social. Porém, para que esta implantação obtenha sucesso, é necessário, que, além da pesquisa, da formulação e da própria implantação, tenha-se um acompanhamento ?de perto? para que a empresa não fique a mercê dos acontecimentos, e que possa comprometer a sobrevivência da mesma no decorrer do tempo. Portanto, este artigo tem a finalidade de descrever sobre a Ética Empresarial, apresentando as definições e alguns aspectos relevantes ao tema escolhido.

1 INTRODUÇÃO

 

Cada vez mais o mundo corporativo está voltado para a Ética, buscando com isto, vantagens competitivas, e condução no mundo dos negócios. Com clientes cada vez mais exigentes, as empresas necessitam estar cada vez mais atualizadas e voltadas a estas exigências ?simples? de mercado: transparência, clareza e honestidade para com o cliente e com a comunidade.

Por isto que as empresas estão em um ritmo acelerado de reestruturação, estudando e implantando sua missão, visão e valores, e abrindo a todos, como que elas buscam chegar ao sucesso, da forma mais clara e honesta possível. É claro que os princípios éticos de cada empresa são diferentes, e o que pode ser ético para uma pode não ser para outra, gerando também conflitos entre o que é certo ou errado.

Portanto, o que se sabe é que se faz necessário uma atenção redobrada das empresas na implementação de suas normas de condutas, estando sempre atentas ao que elas realmente buscam e de olho sempre naquilo que o mercado está esperando e oferecendo, para que assim, alcancem vantagens competitivas e sucesso no decorrer de sua existência, sem ?passar por cima? daquilo que realmente acreditam ser o correto.

 

2 ÉTICA

Ética, de acordo com o site de busca Wikipédia (2012), é o nome reconhecido pela filosofia sobre assuntos morais. A palavra ética é derivada do grego e refere-se ao caráter, porém, é diferente da moral, pois esta se fundamenta em obedecer a normas, enquanto a ética busca o ?bom modo? de viver pelo pensamento humano.

Quando fala-se em ética, várias são as definições encontradas, e cada indivíduo tem sua resposta sobre o conceito de ética, até porque, cada um vive de acordo com sua própria ética, que é diferente para cada ser humano, devido suas crenças, valores e princípios.

Sabe-se, portanto, que os valores que cada pessoa recebe no decorrer de suas vidas estão intimamente ligados à ética e isto determina o modo de viver de cada um, e são estes valores que determinam as opiniões, os comportamentos e as atitudes de cada pessoa, definindo por exemplo, o que é certo ou errado.

Assim, a Ética é dividida em dois grupos, a Ética da Convicção, e a Ética da Responsabilidade.

A Ética da Convicção é aquela que tem seus valores e normas previamente estabelecidos, cujo efeito consiste em moldar as ações que deverão ser praticadas pelo indivíduo. É o tipo de ética que exige que as obrigações sejam cumpridas conforme regem as normas, sem alterações, mesmo que determinada ação contrarie os valores éticos do próprio indivíduo que a está executando.

Já a Ética da Responsabilidade, prega que todo indivíduo é responsável por aquilo que faz. As decisões decorrem de deliberação, analisando diversas circunstâncias, e não necessariamente um conjunto de normas estabelecidos pela empresa, o que muitas vezes também geram conflitos entre empresa e funcionários.

 

2.1 ÉTICA NA EMPRESA

 

Atualmente, as organizações estão cada vez mais preocupadas em manter um padrão e um conceito ético, através de normas de condutas estabelecidas, princípios morais e valores éticos, que demonstram o próprio ?estilo? da empresa, e que irão conduzir os seus negócios em busca de melhores resultados e de vantagens competitivas, sendo seguidos por todos da empresa, em torno de um objetivo comum, o sucesso.

De acordo com Mattos (2005), a prática da ética nas empresas pode ser percebida em alguns aspectos:

  • Filosofia Empresarial: onde a empresa deixa clara e manifesta sua missão, visão e valores, seus princípios e orientações;
  • Comitê de Ética: grupo de pessoas que defini e que controlam as políticas éticas implantadas na empresa;
  • Credos: a empresa divulga suas crenças e seus princípios a seus colaboradores e a seus clientes, deixando-os a ?par? de suas ?intenções?;
  • Códigos: conjunto de atos e preceitos sobre comportamentos a serem seguidos;
  • Auditorias Éticas: avaliações periódicas sobre a conduta empresarial;
  • Balanço Social: divulgação de dados da empresa a população, como os investimentos realizados ao público interno e externo ? própria comunidade.

Porém, para que todas estas práticas tenham um verdadeiro sentido e para que elas tragam resultados positivos para a empresa, é necessário que estejam diretamente ligadas aos interesses e atitudes dos próprios ?criadores? desta conduta ética, de forma que se isto não acontecer, a empresa consequentemente perderá a credibilidade e a confiança perante seus clientes, fornecedores e funcionários.

Atualmente, os clientes, fornecedores e funcionários estão buscando empresas cada vez mais sérias, e exigindo cada vez mais transparência e correção de atitudes, a fim de adequarem suas estratégias de ações que satisfaçam este novo padrão de comportamento. De acordo com Ely, as empresas precisam acompanhar esta evolução para não ficarem as margens do processo, e ignorar isto, é um erro estratégico que pode comprometer a sobrevivência da empresa a médio e longo prazo.

Portanto, o que se espera das organizações é que implantem um código de atuação ética estabelecendo diretrizes claras junto aos seus colaboradores, de como querem proceder juntos a seus fornecedores, clientes, meio ambiente, entre outros, sempre de forma clara, transparente e objetiva.

3 CONSIDERAÇÕES FINAIS

 

Observou-se, através do artigo apresentado, que a elaboração de um código ético, ou de padrões éticos definidos pelas organizações, é de suma importância para que as mesmas consigam se manter neste mercado competitivo, sendo transparentes, claras e com o objetivo de melhorar ainda mais a relação entre empresa, clientes e fornecedores, onde todos estarão enxergando onde a empresa pretende chegar e de que forma está trabalhando para isto.

Claro que este processo de reestruturação é demorado e pede a colaboração de todos, principalmente de parceiros internos, que irão criar também ao longo do tempo, o comprometimento de todos na aplicação correta e permanente dos princípios que serão elaborados, e colocados em prática.

Assim, é importante o comprometimento de todos na formulação e implantação das condutas éticas da organização, para que juntos possam trilhar o caminho em busca do sucesso.

 

4 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ELY, Elyseu Eduardo. Consultor de Empresas, Sócio- Diretor da Telys Educação em Negócios Ltda. HTTP://www.eticaempresarial.com.br/site/pg.asp?pagina=detalhe_artigo&codigo=408nomecat=n&nomeart=s&it_pagina=ARTIGOS

 

GUIRÃO, Maria Elisabeth Farina. A Etiqueta que faz a diferença nas empresas. São Paulo: Novatec Editora, 2006.


LEÃO, Célia Pereira de Souza. Boas maneiras de A a Z. São Paulo: Editora STS Publicações e Serviços Ltda: 2000.


RIBEIRO, Célia. Etiqueta na prática. Porto Alegre: L&PM: 2008.

SILVEIRA, Josué Lemos da. Etiqueta Social pronta para usar. São Paulo: Marco Zero: 2010.


SROUR, Robert Henry, Ética Empresarial. Rio de Janeiro: Campus, 2000.


ZAHAR, Jorge. A Ética nas Empresas. Rio de Janeiro, 1994.

Wikipedia – http://pt.wikipedia.org/wiki/%C3%89tica ? acesso em 31/01/2012.


[1] Estudante de Pós Graduação do curso de Gestão Financeira e de Custos, do Grupo Uniasselvi – Fameg e integrante da equipe  Piazera, Hertel, Manske & Pacher Advogados Associados.

E-mail: [email protected]

CategoryArtigos
Write a comment:

You must be logged in to post a comment.

        

© 2020 por Puxavante

PHMP Advogados OAB/SC 1.029

logo-footer

47 3084 4100

Rua Olívio Domingos Brugnago, 125

Vila Nova - CEP 89.259-260 - Jaraguá do Sul - SC