Marlene Zanghelini Altini 

RESUMO:

Devido ao grande número de informações recebidas atualmente pelas empresas, vê-se a necessidade de um controle mais eficaz, tanto interno como externo. Neste contexto, surge uma área da contabilidade estudada por poucos, mas que a passos lentos, vai ganhando forças no mercado, a auditoria. A auditoria tem como objetivo principal, examinar e inspecionar os documentos, procedimentos, e lançamentos contábeis dentro da empresa, verificando se estão de acordo com as normas e procedimentos legais exigidos pela contabilidade. Por isto é importante que a empresa esteja sempre aberta e preparada para estas análises, pois a auditoria garante a confiabilidade das demonstrações e procedimentos adotados pela empresa, gerando assim maior fidelidade de seus investidores, clientes e fornecedores.

Palavras-chaves: informações, auditoria, controle, fidelidade, confiabilidade.

1 INTRODUÇÃO

Devido a grande evolução tecnológica e ao sistema capitalista, surge a necessidade das empresas realizarem melhores controles, reduzirem seus custos, e serem mais competitivos no mercado.
Antigamente, as empresas eram controladas por grupos familiares, e com a expansão dos seus negócios houve a necessidade de ampliação de áreas fabris, administrativas e também tecnológicas. Devido a estas mudanças, surgiu a necessidade de melhores controles e procedimentos para reduzir os custos das empresas, tornando-as mais competitivas no mercado, e também para garantir a confiabilidade de suas demonstrações, apresentando-as de forma clara, concisa e fiel aos acontecimentos.
Para ?dar confiabilidade? às demonstrações contábeis e financeiras das organizações perante aos seus sócios, acionistas, fornecedores e investidores, a contabilidade utiliza-se de uma técnica chamada de auditoria.
A auditoria examina documentos, livros e registros, busca informações internas e externas da empresa, obedecendo a critérios e normas estabelecidas para verificar se as demonstrações contábeis representam adequadamente a situação demonstrada, de acordo sempre com os princípios fundamentais de contabilidade, que são aplicadas de forma uniforme.
Assim, este artigo busca explanar os conceitos principais de auditoria, demonstrando assim a importância desta ferramenta que está cada vez mais presente na ?vida das empresas?.

2 AUDITORIA INTERNA E EXTERNA

O site Audiper (2012) descreve que a principal função de auditoria contábil é manifestar opiniões sobre as demonstrações contábeis das empresas, analisando seus processos, registros e controles internos.
Os autores Franco e Marra (2001, p. 26-28), também relatam sua opinião sobre o conceito de auditoria:

[…] Consiste no exame de documentos, livros e registros, inspeções, obtenção de informações e confirmações internas e externas, obedecendo a normas apropriadas de procedimento, objetivando verificar se as demonstrações contábeis representam adequadamente a situação nela demonstrada, de acordo com princípios fundamentais e normas de contabilidade, aplicados de maneira uniforme […].
[…] A técnica contábil que ? através de procedimentos específicos que lhe são peculiares, aplicados no exame de registros e documentos, inspeções, e na obtenção de informações e confirmações, relacionados com o controle do patrimônio de uma entidade ? objetiva obter elementos de convicção que permitam julgar se os registros contábeis foram efetuados de acordo com princípios fundamentais e normas de Contabilidade e se as demonstrações contábeis deles decorrentes refletem adequadamente a situação econômico-financeira do patrimônio, os resultados do período administrativo examinado e as demais situações nelas demonstradas […].

Assim, verifica-se que a auditoria busca informações nos documentos da empresa, não impedindo, porém, que sejam obtidas outras informações quando estas são insuficientes para comprovar determinado registro.
A auditoria tem como objeto principal de estudo todos os elementos de controle do patrimônio de uma organização, sendo eles, os registros contábeis, os documentos, fichas, papéis, arquivos, anotações e outros documentos que sirvam e que comprovem a veracidade dos registros contábeis realizados. A auditoria também pode considerar como válidos, e ter por objeto, fatos não registrados documentalmente, mas relatados pelas pessoas envolvidas com o patrimônio administrativo, cuja informação mereça confiabilidade.
A auditoria é dividida em auditoria interna e externa. A auditoria interna, de acordo com Franco e Marra (2001), é aquela que é exercida por um contador que seja funcionário da empresa, e este estará presente integralmente dentro da organização, examinando seus documentos, registros e procedimentos, devendo ele, mesmo que fazendo parte do grupo de colaboradores da empresa, exercer sua função com total independência profissional, seguindo as regras e obedecendo as normas de auditoria, sendo que o fato de ter um vínculo empregatício não venha a interferir no resultado final de seu trabalho.
A vantagem de uma empresa contar todos os dias com a auditoria interna é a sua própria existência, ou seja, ela exerce permanentemente um controle prévio de todos os atos da administração, sendo que o auditor tem liberdade também de acessar qualquer departamento para verificar como estão sendo realizados os procedimentos corretamente, ou para solicitar alguma informação e dados para sua análise e conclusão. Seus relatórios com os possíveis ajustes ou alterações nas formas de trabalhos são apresentados diretamente ao administrador da empresa, pois sua função é de ?organizar? a empresa internamente.
A auditoria externa é aquela realizada por um profissional libera, ou seja, é uma pessoa independente da empresa, sem vínculos empregatícios, podendo este ser contratado de forma eventual ou permanentemente. Assim, o auditor poderá realizar uma auditoria de acordo com seus próprios métodos e conveniências, desde que obedeça as normas de auditorias.
Uma das características, de acordo com Franco e Marra (2001), que distingue a auditoria externa da interna é justamente o grau de independência que o auditor tem em relação à empresa que está realizando o trabalho de auditoria, isto porque nos casos de auditoria interna geralmente não emite parecer sobre as demonstrações contábeis, sendo utilizado somente para fins administrativos internos e não para prestação de contas a terceiros, como: fornecedores, investidores, bancos, entre outros como acontece na auditoria externa.
Assim, os autores Franco e Marra (2001, p. 218), ainda descrevem que,

Nada impede, entretanto, que ambas as auditorias se completem, pois a auditoria interna poderá deixar de executar procedimentos que ela sabe serem executados pela auditoria externa, enquanto esta poderá determinar a profundidade de seus exames e a quantidade de seus testes segundo a confiança que lhe merecer a auditoria interna, que constitui uma das formas de controle interno.

Para melhor entendimento das atividades desenvolvidas pelo auditor interno e externo, Almeida (2003, p. 30), demonstra na tabela abaixo, as principais diferenças e atividades exercidas por eles:
AUDITOR INTERNO AUDITOR EXTERNO
É empregado da empresa auditada; Não tem vínculo empregatício com a empresa auditada;
Menor grau de independência Maior grau de independência;
Executa auditoria contábil e operacional Executa apenas auditoria contábil;
Os principais objetivos são:
? Verificar se as normas internas estão sendo seguidas;
? Verificar a necessidade de aprimorar as normas internas vigentes;
? Verificar a necessidade de novas normas internas;
? Efetuar auditoria das diversas áreas das demonstrações contábeis e em áreas operacionais;
 O principal objetivo é emitir um parecer ou opinião sobre as demonstrações contábeis, no sentido de verificar se estas refletem adequadamente a posição patrimonial e financeira, o resultado das operações, as mutações do patrimônio líquido e as origens e aplicações de recursos da empresa examinada. Também, se essas demonstrações foram elaboradas de acordo com os princípios contábeis e se esses princípios foram aplicados com uniformidade em relação ao exercício social anterior;
Maior volume de testes (tem maior tempo na empresa para executar os serviços de auditoria). Menor volume de testes, já que o auditor externo está interessado em erros que individualmente ou cumulativamente possam alterar de maneira substancial as informações das demonstrações contábeis.
Fonte: Almeida (2003, p. 30) ? Auditoria, um curso moderno e completo.
Através desta tabela, é possível observar que tanto o auditor interno quanto o externo precisam sempre estar atentos em suas análises, e pareceres, para emiti-los o maior próximo da realidade possível, mostrando assim, para investidores, empresários, sócios e demais interessados, a real situação da empresa.
Assim, observa-se que as empresas estão trazendo cada vez mais a auditoria para dentro das organizações, com o intuito de tornarem-se mais competitivas, pois através disto, a empresa consegue identificar os pontos a serem melhorados, podendo acarretar em redução de seus custos, trazendo assim, melhores resultados.

3 CONSIDERAÇÕES FINAIS

A contabilidade vem evoluindo e ganhando força em algumas áreas, podendo-se citar uma delas a auditoria, que está cada vez mais presente na ?vida das empresas?, auxiliando-as em seus procedimentos, e divulgando aos interessados pelas informações contábeis, os pareceres reais da situação de determinada empresa.
É importante que no decorrer das auditorias realizadas, sejam disponibilizadas todos as informações da empresa ao auditor, sem omissões, para que os resultados sejam os melhores possíveis, podendo acarretar na empresa, uma redução de seus custos, e possivelmente, um aumento na sua rentabilidade.
Portanto, no momento da contratação de uma auditoria, seja ela interna ou externa, é necessário que a empresa esteja aberta e preparada a todos os questionamentos e possíveis mudanças nos procedimentos e normas, embasado sempre na legislação e nas normas contábeis.

4 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

FRANCO. Hilário. MARRA Ernesto. Auditoria Contábil. São Paulo: Atlas, 2001.

ALMEIDA. Marcelo Cavalcanti. Auditoria, um curso moderno e completo. 6 Ed. São Paulo: Atlas, 2003.

http://www.audiper.com/site/index.php?option=com_content&view=article&id=31&Itemid=72 ? acessado em 31/05/2012.

CategoryArtigos
Write a comment:

You must be logged in to post a comment.

        

© 2020 por Puxavante

PHMP Advogados OAB/SC 1.029

logo-footer

47 3084 4100

Rua Olívio Domingos Brugnago, 125

Vila Nova - CEP 89.259-260 - Jaraguá do Sul - SC